Filmagens em POA e Recomendação de Leitura

DAVI PINHEIRO REALIZA O PRIMEIRO LONGA DE HORROR GAÚCHO

 Rafael Kerber, Zumbí Maquiavel e Davi de Oliveira Pinheiro (de costas). Maquiagem do artista plástico Ricardo Ghiorzi.

“Porto dos Mortos” começa filmagem
(da divulgação da produtora)
 A produtora V2 Cinema iniciou as filmagens do primeiro longa-metragem de horror da história cinematográfica do Rio Grande do Sul, “Porto dos Mortos”. Dirigido pelo cineasta porto-alegrense Davi de Oliveira Pinheiro, o filme mistura terror e policial em uma viagem sombria pela Capital gaúcha, inspirada pelo cinema setentista de William Friedkin (“Operação França”) e George A. Romero (“Zombie: O Despertar dos Mortos”) e pelo faroeste de Sergio Leone (“Três Homens em Conflito”). Com previsão de estréia para o dia dois de novembro de 2008, o primeiro trailer estará disponível a partir do dia 15 de junho na Internet e cinemas da Capital. “Depois de ‘Porto dos Mortos’, o pôr-do-sol do Guaíba nunca mais será o mesmo”, promete o diretor. Maiores informações pelo e-mail
portodosmortos@v2cinema.com.
 A primeira captação foi realizada em locações no Cais do Porto, no dia 12 de maio, de onde serão extraídos os primeiros trailers de divulgação. “Com estas primeiras amostras esperamos atrair parceiros, investidores e público para a continuidade do projeto, caso contrário, faremos na ‘raça’ mesmo”, prevê Davi de Oliveira Pinheiro. Rodado em HDV, “Porto dos Mortos”, que tem como título internacional “Beyond the Grave”, será um longa-metragem com todas as qualidades técnicas exigidas pelos amantes do cinema, promete o diretor. “Não se usa os poucos recursos como desculpa para fazer um filme fraco, ou com tendências ‘trash’, mas sim como um desafio”, avalia o cineasta.
 Em “Porto dos Mortos”, o ator porto-alegrense Rafael Kerber encarna o policial linha-dura Lockheart, que parte em busca de vingança contra o assassino serial Adam. Lockheart percorre a bordo de seu carro, um Maverick preto, uma Porto Alegre pós-apocalíptica, onde enfrentará mortos vivos e marginais sanguinários, além de seus próprios demônios interiores. Davi de Oliveira Pinheiro é o criador do Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre. Diretor dos curtas-metragens gaúchos “O Combate” (2005) e “O Beijo Perfeito” (2007), é roteirista do curta-metragem paulista “Ex Inferis” (2002), e produtor dos longas-metragens de documentário “Ato de Vida” (2007) e “Histórias de Fronteiras” (2008).


QUEM SÃO OS VERDADEIROS PIRATAS?

 Vale a pena ler a entrevista de Cláudio Prado - do Ministério da Cultura - na revista virtual CULTURA E MERCADO, a respeito de quem são os verdadeiros piratas da música.

http://www.culturaemercado.com.br/setor.php?setor=4&pid=2860


FESTIVAL DE CANNES 2007

 Acompanhe as avaliações dos críticos franceses, à respeito dos filmes em competição no Festival de Cannes, através deste endereço:

http://cannes.lefilmfrancais.com/?page_id=12



Escrito por Carlos Reichenbach às 00h42
[]


 
   Imagens da Noite

GUILHERME VAZ REALIZA FILME
fotos de Heloá Fernandes

 O compositor e maestro Guilherme Vaz está realizando seu primeiro filme, HAMLET CALIGARI LA NOCHE MISTICA, sobre os três "mitos" do cinema (Hamlet, Caligari e a Noite Física, propriamente dita). Vaz afirma que se trata de um fime todo noturno, inteiramente no escuro, onde a luz são grãos de trigo na Etiópia, que também se dá num dos grandes textos do Ocidente La Noche Mística, de Juan de la Cruz - que  por  sua vez remete à Salomão, no "Cânticos". Trata-se na verdade de uma versão expressionista do Cântico dos Cânticos, na escuridão da América sertânica, aliada radicalmente aos recursos das câmeras experimentais atuais, junto a corujas outros seres estranhos, aliada a uma noçâo de sublime.
 Guilherme conta com a colaboração do grupo Fora da Lei de Cinema Experimental de Goiânia. "Pessoal extremamente dedicado e competente que já possui uma serie de filmes experimentais."
 Seguem abaixo algumas imagens impressionantes da primeira e inédita experiência de Vaz com a direção de cinema, cuja estréia poderá vir acontecer em uma Sessão Especial do Comodoro, no CineSesc.


GUILHERME VAZ POR JOSÉ SETTE

"Folhetadas"
por José Sette
 
 Disco na Vitrola. Recebi do meu amigo Mario Drumond um cd “O Anjo sobre o verde” do músico Guilherme Vaz. Conheci pessoalmente o Guilherme na casa do cineasta Sérgio Bernardes, na década de 70, durante a produção de Madrepérola, um dos seus filmes ocultos. Havia na casa-estúdio um piano de parede onde ele diariamente criava os mais extraordinários climas melódicos e cinematográficos (usando, a maneira de Cage, a percussão do piano) que seriam depois usados na trilha do novo filme. Tudo era gravado em um Nagra estéreo do nosso amigo paulista Dude Gupper. Sua música, seus improvisos, sua sensibilidade profunda, sua observação aguçada pelos ruídos naturais que nos envolviam na solidão da mata isolada da grande planície de Jacarepaguá, me encantaram, desde que assisti a sua primeira apresentação, pensei logo: este é o mais extraordinário musico de vanguarda, pianista e improvisador que o Brasil possui. O Anjo Nasceu do Júlio Bressane foi sua primeira trilha de cinema. Nunca mais me encontrei com Guilherme. Sei que o som do seu instrumento musical é único, não há como compará-lo a um outro músico que eu conhecesse. Além de compositor, tocava maravilhosamente. Possuidor de uma técnica invejável, de uma sensibilidade à flor da pele, o som do piano velho de parede da casa do Serginho soava como um Steinway ou um Bechstein na mão do jovem artista que o tratava dedilhando o seu teclado com estremo carinho, delicadíssimo, pianíssimo, e o seu som, a sua música, fluía como um condutor do pensamento sagrado percorrendo o silêncio daqueles momentos que antecedem a ação quando a casa está cheia e barulhenta. A sua prosa enigmática, ilustrada por improvisos musicais, provocava, sem metáforas, o silêncio dos pássaros. Lembrava-me, pois, do Guilherme melodioso, tonal, da figura magra, do mago criador de um novo som que me encantou, por sua inteligência e erudição, o que me fez respeitá-lo como sendo, acima do músico, um grande artista. Peguei o pacote que havia recebido do correio e com uma curiosidade incontrolável, rasguei o plástico, retirei o cd e coloquei o “disco na vitrola”. O folder que acompanhava o cd saiu sozinho da capa dura de plástico e caiu no chão no tempo suficiente para eu pegá-lo e iniciar, amplificada, a primeira peça musical gravada no disco: O Anjo sobre o verde. A palavra escrita veio com a primeira nota musical, ou melhor, com milhares de sinos ressoando ao lado de uma densa massa sonora que me lembrou o som das ondas quebrando na praia. O mar. A Gênese. Compondo com maestria as formas abstratas, misturando-as aos poucos num crescendo à massa, surgem sons desconhecidos, uma língua morta, vidas artificiais, um ser eletrônico que nos apregoa o nascimento do salvador - I Love Supreme - surge no nada, no corte abrupto, no silêncio. Depois sinos. O eterno retorno. Repetem-se sinos. Eleva-se e desponta, com força, um mantra - um som grave que se projeta em espiral até o infinito. De novo o silêncio. O disco é uma viagem a outros mundos. Buraco de minhoca varando a terra. Ouço lendo: onde a palavra é música a poesia é imagem, como nos mostra Danilo Mondoni na contra-capa do cd: “Simão, o velho, o primeiro estilista, passou 30 anos sobre uma coluna nas proximidades de Antioquia... Os dendritas viviam em árvores; os adamitas andavam nus; os sarabaítas conviviam numa mesma cela, sem superior e sem regra; os girovagos perambulavam pelos mosteiros, como hóspedes (lembro-me agora do meu amigo Guará); os pascolantes vagueavam pelos campos, os inclusos fechados nas celas e os acemetas ou insones rezavam ininterruptamente”. Esse é um disco que deveríamos ouvi-lo na hora em que o nosso espírito maltratado por tantas iniqüidades pede descanso. É genial! Quando essa massa sonora em constante transformação se aproxima do som nordestino e popular - na faixa 4 - Fronteira Ocidental - onde se busca, nos textos sonoros desconhecidos, voz e harmonia, climas e imagens, através de belíssimas e diferenciadas repetições de sons orientais - este sincretismo sonoro nos proporciona um sentimento inigualável de felicidade. Dor e Prazer. Na faixa 5 - Phantera Onca - ele sai da mata e dos rios caudalosos do nosso paraíso perdido, para se aproximar da mitologia escandinava e germânica, das três divindades guerreiras que poderiam ser as amazonas, as mensageiras de Odim - deus da guerra e da sabedoria - referenciadas com arranjos de trombone, tuba, percussão e cordas. Ouço o disco inteiro - uma, duas, três vezes - e tenho certeza: é um disco fundamental, possuidor de uma escrita misteriosa, onde se entrega a alma e se ouve acalma. É arte brasileira de primeira. Parabéns Guilherme Vaz.



Escrito por Carlos Reichenbach às 01h26
[]


 
   O Retorno

DE VOLTA À ILHA VIRTUAL

 Amigos e fiéis do blog, fiquei sem comunicação virtual por duas semanas porque a fiação elétrica do meu prédio inteiro foi substituida. Deu um problema de retorno, assim que religaram a força, e o conversor do meu Virtua queimou.


 O editor do blog e o jornalista e poeta Rodrigo Capella, no lançamento do livro POESIA (NÃO) VENDE.


NOVOS ENDEREÇOS PARA OS LINKS DA OLHOS LIVRES

Os endereços da jornalista Aurora Miranda Leão
site e blog recheados com notícias da sétima arte.
Aurora de Cinema
www.auroradecinema.com.br
Blog da Boreal
http://auroraleao.zip.net

Site do Cineclube Equipe
http://www.cineclubeequipe.blogger.com.br

Película Digital
http://pelicula-digital.blogspot.com/

Sessão da Tarde (Marcelo Holanda)
www.ex-filmes.blogspot.com

Dolcíssima
http://dolcissima.zip.net


ALGUÉM SABE QUE FILME É ESSE?
 "Comodoro, preciso de uma ajuda para identificar um filme que me marcou a infânica. Passava muito no sbt e era sobre um casal com uma filha que ficam presos em casa, pois há paredes de tijolos bloqueando portas e janelas. Em todos os objetos da casa aparece um mesmo símbolo e os personagens descobrem que tem uma espécie de tatuagem dessa mesma figura. Ao fim é revelado que eles (e a casa) eram brinquedos de uma garota de outro planeta." - Bickle


UM NOVO POEMA DE FÁBIO SANTIAGO
Orfeu na Melancolia
(Fabio Santiago)
 
Descolore o lado de cá da vida
O lado lírico
Deixe pra lá os que não tem palavra
Que comem sem fitar tristemente o vazio
 
Condenado
Orfeu na melancolia
Não cante para os ouvidos falsas esperanças
Não plantem em solo úmido sementes tão secas
 
Desregra o traço, bebe no copo que transborda.
Louco pálido, anjo da devassidão.

Em seu descaso planto meus gerânios.

Linha de aço contínua
cerol gritado no céu
Linha limítrofe a serra
Brilho do ferro e a chegada do trem

Devoro o seu traço, a sua métrica,
prolongo o seu gingado
alimento-me.

Um trago na sua língua comprida
ninfa volumosa, doce Eurídice.

Desperta homem em sua manhã grená.
Desperta do seu sono
Apaga todos os seus sonhos da noite
Oculta também os seus sonhos do dia
Desperta miserável!!
Amarra a lucidez cética.
Embarca na solidão dos loucos

Loucos líricos, bêbados incandescentes,
devassos, devoradores de formas,
amargos, ausentes

No fim da linha o silêncio
mutuo

Imensidão parada, os sons esparsos.
Ancora em seu condado de seios pontiagudos

Antes da partida um silencio sem adeus.
O trem que não parte
O dia que não se faz,
as palavras sem verdade
As promessas que não tem jeito,
fim da linha,
trilho enferrujado.
 
Canta Orfeu canções tão tristes
Dilacera os ouvidos das ninfas e dos deuses
Não olha para trás para não perder o amor
Vai Eurídice padecer no colo da serpente.



Escrito por Carlos Reichenbach às 11h46
[]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 09/07/2006 a 15/07/2006
 02/07/2006 a 08/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005



OUTROS SITES
 TODOS OS LINKS CONSULTADOS E VISITADOS PELO REDUTO DO COMODORO
 LINKS RÁPIDOS [DE PESQUISA]
 OLHOS LIVRES - o site de Carlos Reichenbach
 REDUTO DO COMORO - Ampliado no site OLHOS LIVRES
 REDUTO DO COMODORO 2004
 O ESSENCIAL DO FILME NOIR
 O ESSENCIAL DO FAROESTE AMERICANO
 O ESSENCIAL DO FILME DE GANGSTER
 O ESSENCIAL DO FAROESTE SPAGUETTI
 O ESSENCIAL DO FILME MUSICAL AMERICANO
 O ESSENCIAL DO CINEMA EXTREMO
 O ESSENCIAL DO FILME FANTÁSTICO E DE HORROR PARTE 1
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 60
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 70
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 80
 PERFORMANCES ANTOLÓGICAS DO CINEMA BRASILEIRO


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!