Apontamentos

ESTILHAÇOS DO DIA (OU DA NOITE)

1.
 Estive rapidamente, com a minha amiga e montadora Cristina Amaral, no Sesc da Avenida Paulista e fomos - de pronto - ao terceiro andar onde se encontram as salas dedicadas a Carlos Adriano e Arthur Omar. Só a oportunidade de conhecer os mais recentes trabalhos dos nossos maiores criadores audiovisuais em atividade, já justificaria a existência do Festival Internacional de Arte Eletrônica.
Nos poucos minutos que permenecemos no local, tivemos a oportinuidade de conhecer o belo inventário que Adriano fez sobre o trabalho de Miécio Caffé, um ilustrador notável e uma das pessoas mais bem humoradas que conheci na vida. Já a instalação DERVIX, de Arthur Omar, concebida a partir de imagens captadas no Afeganistão, nos deixou literalmente "de joelhos". São flagrantes hipnóticos de um ritual sufi, gravados em um território jamais documentado por um estrangeiro, que concluem com uma montagem final atomizada e histérica, de violência ímpar, como que anunciando a catástrofe que estaria por acontecer. Falamos tanto no texto abaixo sobre a violência na arte contemporânea. Eu juro que nunca senti tamanho terror quanto neste "filme-instalação" extraordinário, onde não existe uma imagem sequer de arma, mortos ou agressão. João Callegaro disse uma vez que Arthur Omar era o único e verdadeiro herdeiro do terremoto criativo chamado Glauber Rocha; eu assino embaixo!

2.
 Acabei de assistir em DVD, "O Homem Urso", de Werner Herzog. Magistral! Herzog continua sendo um dos poucos (talves únicos) documentaristas que me entusiasmam.

3.

 Assisti - de estocada - quatro dos filmes mais safos e recentes de Tinto Brass: "L´Uomo che Guarda", "Fermo Posta", "Fallo!" e "Monamour". Na seara do erotismo e da fartura, o ogro peninsular continua imbatível. O que me faz admirar Brass é que, em momento algum, o ato sexual é enxergado como punição, mas como gesto libertador. A bambolas de Brass continuam gostando (e muito) de fornicação, sem nenhum resquício de culpa ou pudor reacionário. O único óbice é que Tinto deu agora para filmar "catsos" em profusão. Não sou um aficionado do gênero, mas nunca me incomodou ver (ou documentar) genitália masculina na tela. O problema é que os referidos "chaveiros" não passam, geralmente, de consolos maquiados. Ora, faça-me o favor, se há uma coisa que me irrita nos filmes eróticos é o artifício fácil e falso; especialmente das vestais siliconadas e dos adeptos da prótese. O fescenino Tinto, de quem sou fã confesso, merecia um cutucão na virilha.

4.

 Por obra e graça da internet consegui ter acesso a duas pérolas de Christian Duguay. Dois filmes feitos para tv, que dão um "banho" nos melhores filmes de ação (ou biográficos) feitos para cinema. HITLER, RISE OF EVIL, narra a formação e a ascenção política do próprio e termina exatamente no momento em que ele é alçado à condição de chanceler. HUMAN TRAFFICKING, é um piloto em duas partes de uma possível série para a tv, com Mira Sorvino e Donald Shuterland. Estou pensando seriamente em mostrar um dos dois filmes numa das futuras Sessões do Comodoro. Não importa que ambos os filmes tenham sido "ripados" diretamente de uma tv de plasma. Não dá para entender (ou aceitar) que nenhum canal à cabo brasileiro tenha nos permitido conhecer - legalmente - estes ótimos filmes.



Escrito por Carlos Reichenbach às 01h36
[]


 
   O efeito TROPA DE ELITE 01

 Atendendo a uma sugestão do Daniel Caetano, segue abaixo – na íntegra – o depoimento (ditado por telefone e corrigido por e-mail) para o jornalista Arnaldo Bloch, publicado no jornal O GLOBO, no dia 30/setembro/2007.

 

APONTAMENTOS PARA UMA POLÊMICA ANUNCIADA

 Carlos Reichenbach

 

DE EISENSTEIN A RIEFENSTAHL — Fazer cinema é também fazer escolhas. Ao optar por um discurso, seja ele de direita ou de esquerda, sem distanciamento ou autocrítica, o cineasta esbarra, queira ele ou não, no proselitismo. E o proselitismo tende a ser a morte da arte. O que não impede que, mesmo comprometida, a obra venha a ter certa importância histórica.

 Sergei Eisenstein, por exemplo, não deixou de revolucionar a linguagem cinematográfica por ter feito filmes de encomenda. A alemã Leni  Riefenstahl pode ter sido uma persona abjeta, mas sabia filmar magnificamente bem. Se bem que o seu ápice foi ter se voltado, no fim da vida, a outro universo abissal: o fundo do mar.

 

DE SÓCRATES A BENJAMIM  - Os filósofos, de Sócrates a Walter Benjamim, dizem que o pensamento humano não pode ser monolítico. Ele é construído de rupturas. Benjamin acredita que a ruptura é inevitável, mas que existe uma continuidade subterrânea na ruptura. Venho de uma geração que trocou as certezas absolutas pelas dúvidas transgressivas ("eu não sei o que eu quero, mas sei o que não quero") e espera que a criação artística espelhe perplexidades, encantamentos e/ou sensações submersas. Do contrário, é expressão inócua.

 

A ESCOLHA DE PADILHA — Ao escolher o ponto de vista do policial assumiu um risco bastante capcioso que, somado aos compromissos comerciais do filme, resultou numa combinação perigosa. Isso, aparentemente, levou o filme para a direita, independentemente das suas intenções. Uma postura mais libertária teria, por exemplo, levado o  aspirante Matias a atirar no Capitão Nascimento quando este fica esbravejando em seu ouvido, enchendo o saco e induzindo-o à barbárie.

 Seria uma solução genial, anárquica, à altura de um Samuel Fuller.  Mas um caminho como esse ia detonar o filme comercialmente, assim como, por exemplo, se o menino sob tortura não dissesse nada, levasse o cabo da vassoura, e, mesmo assim,  calasse, deixando protagonistas e público perplexos. Mas essa minha observação é uma postura muito confortável para quem avalia uma obra acabada à distância.

 Outros filmes brasileiros experimentaram observar e entender o viés do repressor. O ótimo "Eu Matei Lúcio Flávio", de Antonio Calmon, também foi chamado erroneamente de fascista. Um filme de direita não é necessariamente reacionário ou fascista. O excepcional curta metragem "O Inspetor", de Arthur Omar, talvez seja o filme que melhor tenha retratado o imaginário transversal e dilema ético do policial.

 

O BANDIDO-HERÓI: OUTRO LADO DA MOEDA  — Em que pesem as críticas pertinentes, “Tropa de Elite” é uma obra interessante porque não tem medo de lidar com um tema cabeludo e estimular uma discussão necessária: até que ponto se justificam a coação e a tortura na repressão ao crime organizado. Em matéria de cinema brasileiro, isto é uma ruptura radical com a geração dos anos 60 que adotou a ótica do marginal como resposta ao ideário do poder vigente da época. A verdade é que os tempos do "seja bandido, seja herói" já não se justificam mais. Marginal virou uma expressão pejorativa, antítese de transgressão.

 O filme ficou suscetível também a uma cobrança obsessiva e atual em cima das obras que retratam o momento histórico do país. Alguns dos que criticam “Tropa de Elite" são os mesmos que atacaram “Batismo de sangue”, de Helvécio Ratton, por enxergar com simpatia e tolerância a fragilidade os padres dominicanos que sucumbiram sob tortura. Ora, ambos os filmes me despertaram o interesse e trouxeram à baila assuntos traumáticos e urgentes.

 

POUND, ELIOT E OS NOSSOS FASCISMOS —  A preocupação de quem assiste não deve ser com lado que, aparentemente, o filme se coloque, mas com o fato dele estar atrás ou à frente de seu tempo. É a mesma coisa que falar mal da obra de Ezra Pound pelas posturas fascistas dele em vida, ou de TS Eliot porque era monarquista.

 Ambos são poetas extraordinários, cuja obra transcende as sombras de suas personalidades. A obra de arte talvez seja o único espaço livre onde podemos expor as nossas idiossincrasias, as nossas vilanias, os pequenos fascismos de cada dia. O câncer da criação artística é a autocensura. Embora a responsabilidade nunca deva ser negligenciada, criação e invenção pressupõem risco.



Escrito por Carlos Reichenbach às 18h11
[]


 
   O Efeito TROPA DE ELITE 02

 - CONTINUAÇÃO -

 

COPPOLA: O FASCÍNIO PELO PODER E PELO NAPALM — Claro que a apologia da tortura e da truculência não me parece o ponto de vista de Padilha, mas a subserviência à bilheteria tornou o filme ambíguo, abrindo a guarda para as pedras. Não consigo enxergá-lo como fascista nem reacionário, porque não me senti manipulado por ele.

 Fascistas são filmes como "Violência Gratuita", do austríaco Michael Hanneke, e "Clube da Luta", porque transformam o espectador em cúmplice e fazem o elogio declarado da violência. De direita (e não fascistas) são algumas obras essenciais do cinema contemporâneo, como "Apocalypse Now", de Coppola,  “Taxi Driver” de Scorsese e “Hardcore”, de Paul Schrader.  Em “Apocalypse Now”,  o personagem mais fascinante é o Coronel Kurtz, um homem enlouquecido, que mandou os parâmetros éticos às favas. E como são retratadas as figuras dos nativos naquele domínio? É tão nítido aquilo... E, ao mesmo tempo, há um fascínio muito grande pelo caos, pelo napalm, pelas cores espetaculares da guerra suja. Para mim é um filme de direita, mas não reacionário nem fascista. É de direita como o melhor da criação artística norte americana.

 

CINEMA E MACARTISMO: UMA QUESTÃO DE ESCOLHA — Mais incômodo ainda é quando se trata de elogiar os cineastas talentosos que continuaram trabalhando no período do Macartismo. Eliah Kazan, por exemplo.

 A complacência com a violência, a justificação da tortura e a relativização da delação são os três temas mais delicados do cinema moderno. Em algum momento a delação se justifica? Para mim, nunca. Como sair impune ao final do magnífico filme de Brian de Palma "Pecados da Guerra", talvez o melhor filme já feito sobre o assunto.

 O que não nos impede de observar que o abismo macartista tenha estimulado a descoberta  de obras interessantíssimas de algumas de suas vítimas. O exílio de Joseph Losey, por exemplo, fez aflorar uma obra única e deslumbrante.

 Cy Endfield, ao contrário dos que evocaram o direito de se calar sob a guarda da primeira emenda da constituição americana, afirmou em alto e bom tom que era comunista mesmo e que o senador era um demagogo corrupto e nefasto. Foi banido do país e construiu uma obra ímpar filmando na África, com o dinheiro dos ingleses, e expondo com clareza sua postura anti-imperialista.

 

OS BRANCOS PREDADORES E OS BABUÍNOS JUSTICEIROS   — 

 Cy Endfield foi um dos melhores e menos conhecidos diretores de cinema banidos pelo macartismo. "Zúlú" é um libelo contra a dominação e “Perdidos no Kalahari”, termina com o protagonista, um predador branco, trucidado por macacos babuínos. É genial. Um filme árido, de idéias políticas claras, sem discursos fáceis e jamais proselitista. Grande cinema

 

O WESTERN E O ELOGIO DO ÍNDIO  — Don Siegel é um diretor extraordinário. Mas foi ele quem criou aquele personagem de extrema direita, o inspetor Callahan, de “Dirty Harry”, vivido por Clint Eastwood, que pegava os bandidos e dizia “você é a doença e eu sou a cura. Há uma diferença”. Durante quanto tempo o cinema americano fez tripudiou em cima dos índios, fazendo a elegia do General Custer, que era um homem extremamente cruel e truculento, até que  Delmer Davis, pela primeira vez, enxergasse a possibilidade do entendimento entre brancos e índios.

 

O CINEMA E A EXPLORAÇÃO COMERCIAL DA INFÂNCIA —  Sinto-me atraído por visões diferentes do mundo e mesmo por posturas políticas diferentes das minhas. Porque sou fascinado pelos pensadores libertários não espero ver unicamente filmes que compartilhem do mesmo interesse. No entanto, há coisas que me incomodam no cinema atual. O cinismo imobilista, por exemplo. Mas o que mais me choca, e isso é um problema pessoal, é a glamurização da violência infantil. Vi muito pouca gente se rebelar com o uso indiscriminado da imagem de uma criança com arma na mão.

 Essa imagem, queira-se ou não, em algum momento vão estar disponível na televisão, no computador, fetichizando a violência. Isso unido à preocupação comercial torna-se uma bomba de disseminação do ódio, dissociada de qualquer propósito crítico.

 

ROSSELINI E O PECADO DE SER CATÓLICO —  Eu gosto muito de Rosselini e tenho um amigo cineasta que diz ele é muito bom, mas o problema é que é católico. Eu digo sempre ao meu amigo: pô, mas ele é bom por que é católico! Paul Schrader é um autor único porque é calvinista. Meus dois poetas de cabeceira, Murilo Mendes e Jorge de Lima são católicos; eu não sou.

 No fundo, no fundo, o espectador com um pouco mais de informação está sempre exigindo o facilitário da conivência ou, no máximo, de posturas nítidas com as quais discorda.

 

EM DEFESA DA AVENTURA DA CRIAÇÃO

 Eu insisto, a riqueza da obra de arte reside nas suas contradições, nos altos e baixos, no mergulho no escuro. O resto é bijuteria.

 

CARLOS REICHENBACH

- especial para jornal O GLOBO -



Escrito por Carlos Reichenbach às 18h09
[]


 
   INFORME

- PORQUE NÃO VAI HAVER SESSÃO DO COMODORO, HOJE À NOITE, NO CINESESC -

16º SESC VIDEOBRASIL NO CINESESC

De 02 A 11 DE OUTUBRO

RUA AUGUSTA,2075 TEL.3082.0213

ENTRADA FRANCA (COM RETIRADA COM UMA HORA DE ANTECEDÊNCIA)

Informações para a imprensa
Assessoria de imprensa: Solange Viana Notícias
Com Solange Viana
tel no SESC 3179.3744/3757 –

solange.viana@uol.com.br 
Com Adriana Brito –
dribri@hotmail.com 

Associação  Cultural Videobrasil: Teté Martinho, Comunicação
(11) 11 -3812-0805/9901.0375 - 
tetemartinho@videobrasil.org.br 
De 30 de setembro a 25 de outubro.

PROGRAMAÇÃO CINESESC
De 02 A 11 DE OUTUBRO DE 2007
 
O 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica Sesc_Videobrasil expande sua programação para o Cinesesc, com estréias de obras de Peter Greenaway, Carlos Adriano, Arthur Omar e o ciclo Um Punhado de Prazeres Sublimes uma retrospectiva imperdível da filmografia do transgressor cineasta americano Kenneth Anger e de artistas como Andy Warhol e Derek Jarman. Vale conferir, é grátis.



Escrito por Carlos Reichenbach às 15h09
[]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 09/07/2006 a 15/07/2006
 02/07/2006 a 08/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005



OUTROS SITES
 TODOS OS LINKS CONSULTADOS E VISITADOS PELO REDUTO DO COMODORO
 LINKS RÁPIDOS [DE PESQUISA]
 OLHOS LIVRES - o site de Carlos Reichenbach
 REDUTO DO COMORO - Ampliado no site OLHOS LIVRES
 REDUTO DO COMODORO 2004
 O ESSENCIAL DO FILME NOIR
 O ESSENCIAL DO FAROESTE AMERICANO
 O ESSENCIAL DO FILME DE GANGSTER
 O ESSENCIAL DO FAROESTE SPAGUETTI
 O ESSENCIAL DO FILME MUSICAL AMERICANO
 O ESSENCIAL DO CINEMA EXTREMO
 O ESSENCIAL DO FILME FANTÁSTICO E DE HORROR PARTE 1
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 60
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 70
 O ESSENCIAL DO CINEMA FANTÁSTICO E DO FILME DE HORROR - ANOS 80
 PERFORMANCES ANTOLÓGICAS DO CINEMA BRASILEIRO


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!